“Como se fosse possível matar o tempo sem ferir a eternidade”

Paramos no sinal vermelho, olhamos para os lados e tudo que vemos é a insatisfação no volante. A tristeza está ali, sempre a espreita. É só mais um dia. Não, não falo das grandes tristezas; das guerras, da poluição, do abandono, da escravidão, da desigualdade. Não nesse momento. Falo das pequenas tristezas massacrantes e diárias, […]

O que aconteceria se você vivesse tudo de novo, novamente, para sempre?

A possibilidade de nos tornamos artistas de nossas próprias vidas, esquecendo superstições, esculpindo-nos como nossa própria obra de arte; dançando a música da vida, não pelo que acontece depois que ela termina, mas pelo prazer do ritmo e da melodia. Você já parou para pensar em quantas hipóteses são levantadas para a vida após a […]

Será que vivemos, de fato, no presente?

“Apreciaríamos e desfrutaríamos melhor o presente se, nos dias de bem-estar e saúde, não deixássemos de refletir sobre como, durante a enfermidade ou a aflição, as lembranças das horas que decorreram sem dor e privação nos pareceram dignas de inveja — como um paraíso perdido, um amigo esquecido ao qual não demos o merecido valor. […]

É possível enlouquecer de amor? Explicações a cerca do efeito da paixão no cérebro

É possível enlouquecer de amor? O professor da Universidade de Claremont, Paul Zak, Ph.D em neurociência pela Harvard, tem investigado o funcionamento do hormônio ocitocina no cérebro há mais de uma década, e talvez possa nos responder essa questão tão curiosa. É comum ouvirmos aquelas expressões corriqueiras como “louco de amor”, loucamente apaixonado”, mas o que […]

A preguiça e a covardia do pensar por si mesmo

Pensar com a própria cabeça é extremamente libertador, no entanto, não é fácil. No âmbito do pensamento, podemos construir tudo, mas acabamos transferindo nossa capacidade para qualquer coisa que alivie essa responsabilidade. Fugimos, passamos a bola para outro alguém jogar por nós. Em alguns casos, seguimos algumas ideias sorrateiramente, como quem não quer correr riscos, […]

O desespero da liberdade

“O homem está condenado a ser livre”, sentenciou Jean-Paul Sartre no ensaio O existencialismo é um humanismo. Em outras palavras, o homem é prisioneiro do seu próprio futuro, pois é lançado ao mundo condenado à liberdade. Irremediavelmente decidirá os seus passos, escolherá seu caminho. Talvez, um leitor precipitado e relutante poderia supor uma situação em que […]