Autor Vinícius Prestes

Nada meu, nada certo

Um  poema em prosa, que reflete a insegurança o medo e a melancolia de um homem que, ao avaliar sua vida, percebe que não pode ter, qualquer, certeza…   Enquanto crianças e mulheres são executadas em algum lugar...

Leia mais

Saturnismo diário

Um poema sobre a rotina da maioria dos homens, mas o personagem, assim como cada um dos bilhões que seguem a mesma rotina, possuí seu talento ou alivio…   Acordou cedo, cedo demais… Tomou um banho morno, vestiu roupas...

Leia mais

Mais uma vez

Um poema autobiográfico, sobre uma recente desilusão amorosa. (o autor se auto declara culpado) O velho e o mar de Hemingway, por algum motivo, sempre está no chão do meu quarto ela pergunta:  ‘’que livro é esse’’ eu respondo: ‘’é...

Leia mais

Mr Gekos

Um conto curto da óptica de quem a muito tempo é pago para atirar…   Clarice tem 50 anos, e tem tanto poder aquisitivo quando seu marido, Clarice valoriza a família, em 18 anos de casamento se esforçou para manter se ao lado de mr...

Leia mais

Fogo

Um poema sobre um homem solitário, que não gosta de se sentir, só…   Então eu sento, no meio de tudo eu moro sozinho, mas não gosto de me sentir só homens e mulheres me cercam, bebem do meu vinho, do meu uísque, nos meus copos eles...

Leia mais

Trato com a morte

Um ”miniconto” se é que pode ser assim, considerado. A morte raramente é descrita como algo/alguém que, precise de qualquer ajuda humana ou sobre-humana, nesse texto, o autor, expõe uma situação complexa de acontecimentos raros...

Leia mais

Boa ação, para o céu e para a lua

Um poema sobre amnésia alcoólica e consciência alcoólica… Uma tentativa de amizade com um rato e um diálogo com o céu e a lua e o vizinho.   Então, como vim parar aqui? Escorado nessa parede úmida de concreto e areia, enxergando...

Leia mais

Cotidiano disperso aos olhos…

Um poema sobre a primeira visão do mundo, ao olhar pela janela do prédio pela manhã…   As crianças brincam no pátio da escola, seus gritos e suas risadas, acordam, alegram e naturalmente, torturam as manhãs do bairro São 9 e 36 da...

Leia mais

Depois de, mais de nove, doses de uísque…

Esse poema é parte de uma série de poemas e contos que escrevo, intitulada ”Em algum bar…” pela ordem, esse seria o nono texto. Espero que gostem… Mais uma dose de uísque… tudo tem gosto de cigarro menos o...

Leia mais

O chá

Um poema sobre o fim de uma bebedeira e o recomeço… Meus personagens em sua maioria, são escritores pobres de meia idade, alcoólatras, o humor negro, a ironia, a melancolia e o acaso de vidas miseráveis, sempre me trouxeram inspiração e...

Leia mais