Cada homem deve inventar o seu caminho

És livre, estás condenado à liberdade.

 O filósofo Jean Paul Sartre em sua obra “O Existencialismo é um Humanismo” está convicto de que toda a responsabilidade sobre o seu caminho é sua. Você pode escolher. Você pode construir a sua vida, a sua existência.

“O homem não é senão o seu projeto, só existe na medida em que se realiza, não é, portanto, nada mais do que o conjunto dos seus atos, nada mais do que a sua vida.”

Nesse caso, são excluídas todas as desculpas que sejam capazes de transferir a culpa para o destino ou uma divindade.

Dizer que algo não aconteceu porque Deus não quis ou porque não era para ser, além de ser uma maneira de esconder-se atrás  de uma ilusão, é também uma forma de impedir o seu progresso. Afinal, precisamos identificar nossas falhas para que seja possível resolvê-las.

Perceber toda a liberdade que temos em mãos, a princípio parece ser algo alegrador, até que você percebe que mesmo quando escolhe não fazer escolhas, está escolhendo. E pior, você está escolhendo por outros indivíduos também. Quando você vota em branco, quando você se abstém de uma decisão importante, não está decidindo somente por você, por exemplo.

Assim, quando dizemos que o homem é responsável por si mesmo, não queremos dizer que o homem é apenas responsável pela sua estrita individualidade, mas que ele é responsável por todos os homens.

Entretanto, muitas pessoas não conseguem encarar tamanha responsabilidade. Geralmente, quando escolhem algo, não pensam estar escolhendo por toda a humanidade, então quando optam por um ato dito imoral, não encaram o problema em seu tamanho original. Mas e se imaginássemos a humanidade inteira escolhendo praticar o mesmo ato danoso aos outros?

Poderíamos, então, perceber a gravidade de uma pequena corrupção, por exemplo?

Como é possível notar, essa doutrina é tão libertadora, quanto angustiante, mas é importante que tenhamos a capacidade de refletir sobre as pequenas questões cotidianas que colocam em jogo a maneira como lidamos com nossa liberdade diariamente.

Referência bibliográfica:

Sartre, J. P. (1987). Existencialismo é um Humanismo. São Paulo: Nova Cultural.

 

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Isadora Tabordes

Isadora Tabordes

Cofundadora e desenvolvedora dos sites Vida em Equilíbrio e Demasiado Humano, estudante de Filosofia na Universidade Federal de Pelotas. Apaixonada por diversas áreas do conhecimento.