Como separar o que você pode controlar do que não pode e o treina para se concentrar no primeiro

Na carta fala de seu problema de saúde, a Asma,  doença que o perseguiu desde a infância, mas que salvou sua vida. Em 37 d.C., quando Calígula sucedeu a Tibério como Imperador Romano, Sêneca ainda jovem tornou-se o principal orador do Senado, e Calígula com inveja  exigiu que  fosse executado.

No entanto, Sêneca foi salvo por sua doença: pessoas próximas ao imperador disseram que ele estava “muito doente e que não demoraria até que ele morresse”, convencendo Calígula a poupa-lo.
 
Para Sêneca a morte é uma experiência que todos nós já tivemos antes de nascer e, assim, não há motivos para temê-la:

LIV. Sobre asma e morte

Saudações de Sêneca a Lucílio.

  1. Minha má saúde me permitiu um longo período de folga, quando de repente retomou o ataque. – Que tipo de doença? Você diz. E você certamente tem o direito de perguntar; pois é verdade que nenhum tipo de bondade é desconhecida por mim. Mas sou depositário, por assim dizer, de uma doença especial. Eu não sei por que eu deveria chamá-la pelo seu nome grego; pois é bem descrita como “falta de ar”[1]. Seu ataque é de duração muito breve, como o de uma tempestade no mar; geralmente termina dentro de uma hora. Quem realmente poderia segura sua respiração por tanto tempo?
  2. Eu passei por todos os males e perigos da carne; mas nada me parece mais problemático do que isso. E naturalmente assim, pois qualquer outra coisa pode ser chamada de doença; mas esta é uma espécie contínua de “último suspiro”. Por isso, os médicos a chamam de “praticar como morrer”. Pois algum dia a doença terá sucesso em fazer o que tem tantas vezes ensaiou.
  3. Você acha que estou escrevendo esta carta com alegria, só porque escapei? Seria absurdo deleitar-me com essa suposta restauração da saúde, como seria para um réu imaginar que ele havia ganhado o seu caso quando apenas conseguiu adiar seu julgamento. No entanto, no meio de minha respiração difícil eu nunca deixei de repousar em pensamentos alegres e corajosos.
  4. “O quê?” Eu digo para mim mesmo; “A morte me prova com tanta frequência?” Deixe-a fazê-lo, eu mesmo há muito tempo testei a morte. “Quando?” Você pergunta. Antes de eu ter nascido. A morte é inexistência, e eu já sei o que isso significa. O que estava antes de mim voltará a acontecer depois de mim. Se há algum sofrimento neste estado, deve ter havido tal sofrimento também no passado, antes de entrar na luz do dia. Na realidade, no entanto, não sentimos nenhum desconforto na ocasião.
  5. E eu lhe pergunto, você não diria que é o maior dos tolos aquele que acredita que uma lâmpada está pior quando é apagada do que antes de ser acesa? Nós, mortais, também somos acesos e apagados; o período de sofrimento se interpõe, mas de ambos os lados há uma paz profunda. Pois, a não ser que eu me engane muito, meu caro Lucílio, nós nos perdemos pensando que a morte só se sucede, quando na realidade nos precedeu e nos procederá por sua vez. Qualquer condição que existisse antes do nosso nascimento, é a morte. Pois o que importa se você não começar absolutamente, ou se você for excluído, na medida em que o resultado de ambos os estados é a inexistência?
  6. Nunca deixei de encorajar-me com aclamados conselhos deste tipo, em silêncio, é claro, já que não tinha capacidade de falar; depois, pouco a pouco, essa falta de ar, já reduzida a uma espécie de arquejamento, avançou a intervalos maiores, e depois diminuiu a velocidade e finalmente parou. Mesmo neste momento, embora a ofegação tenha cessado, a respiração não flui normalmente; ainda sinto uma espécie de hesitação e atraso na respiração. Que seja como lhe agrada, desde que não haja suspiro da alma.
  7. Aceite esta garantia de mim – eu nunca estarei assustado quando a última hora chegar; eu já estou preparado e não planejo um dia inteiro à frente. Mas você elogia e imita o homem que não quer morrer, embora tenha prazer em viver? Pois que virtude há em ir embora quando você é expulso? E, no entanto, há virtude mesmo nisso: eu sou de fato expulso, mas é como se fosse embora de boa vontade. Por essa razão o homem sábio nunca pode ser expulso, porque isso significaria a remoção de um lugar de onde ele não estava disposto a sair, e o homem sábio não faz nada involuntariamente. Ele foge da necessidade, porque ele quer fazer o que a necessidade está prestes a forçá-lo.

Mantenha-se Forte. Mantenha-se Bem.

[1] Isto é, a asma. Sêneca pensa que o nome latino é bom o bastante.

[2]  Ou seja, que o suspiro seja físico, – um suspiro asmático, e não causado por angústia de alma.

[3] O argumento é: estou pronto para morrer, mas não me elogie por essa conta; reserve seu louvor para aquele que não está relutante em morrer, embora (ao contrário de mim) ele tenha prazer em viver (porque ele está em boa saúde). Sim, pois não há mais virtude na aceitação da morte quando alguém odeia a vida, do que há em deixar um lugar quando é expulso.

Via O Estóico

Comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Enter Captcha Here : *

Reload Image