A ilusão da liberdade: Ainda somos escravos

 Em 13 de maio de 1888 a Princesa Isabel assinava a lei Áurea, lei que tinha como intuito abolir a escravidão no Brasil.  128 anos se passaram desde que todos eram considerados ”livres” em território brasileiro, e a pergunta que eclode em nosso meio continua a gritar: Somos realmente livres? Conquistamos direitos trabalhistas e direitos sociais  ambos amparados pela Constituição que rege esse país. Mas a realidade nos mostra o quão vaga é nossa liberdade. Somos um povo de luta, um povo que trabalha 8 horas por dia, faz hora extra, luta por um salario mais digno e justo. Trabalhamos o ano inteiro mas somos obrigados a dar 5 meses de salario para pagar impostos e taxas para o Estado.  Nosso salario minimo é considerado um dos piores do mundo, praticamente gastamos em alimentação, moradia e impostos. Brasileiro não tem lazer, brasileiro não tem qualidade de vida, brasileiro não tem saúde, brasileiro quase não tem esperança.
 A cada novo dia surgem novas denuncias de corrupção, somos obrigados a aceitar que 5 meses do nosso trabalho que deveriam ser destinados para saúde, educação e infra estrutura vão parar no bolso dos ”homens” do poder.. ou podemos chama-los de EXPLORADORES! Se antes nossos antepassados eram escravizados oferecendo o seu trabalho em troca de alimentação, hoje continuamos escravos de um sistema de exploração. Recebemos um salario que mais tarde se convertera apenas em comida e abrigo… Somos alienados e conduzidos a acreditar que somos livres… mas a verdade é que nunca vimos o sol da liberdade, nunca experimentamos o ar de uma vida digna e verdadeiramente livre … Se contentamos com a cerveja, o carnaval e o tão estimado futebol de domingo! Mas merecemos muito mais do que isso! É necessário romper com as correntes que nos aprisionam e nos exploram!

SERIAMOS NÓS, ESCRAVOS?


130916-fgts-charge

Matheus John

 

 

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Matheus John

Matheus John

Matheus John, 21 anos, natural de Ponta Grossa- Paraná. Atualmente cursando Ensino Superior em Licenciatura Filosofia pelo Instituto de Ensino Superior Sant'Ana. Colaborador do projeto de extensão na área de Literatura Existencialista e Filosofia Classica . Colaborador Projeto de Extensão UEPG: Nietzsche e David Foster: Niilismo e nova sinceridade