MEU NOME NÃO É CLARICE

03

Você chora?
Vai chorar.

Dormir oito horas durante o dia tem seu custo. Por exemplo, dificuldade de dormir agora.

Eu estive pensando (ha! ha!)

Analisar os outros é fácil demais. Qualquer maluco consegue. Você olha para a criatura, decide se gosta dela ou não. E então projeta suas tendências, boas ou ruins, na sua vítima. Interpreta cada resposta dela de forma a gerar uma nova pergunta que a conduz pela trilha de confirmação de uma narrativa já escolhida. Por você. Qualquer doente sabe disso. Bem como qualquer psiquiatra. A razão reside na mão que segura a chave. Da jaula. Da camisa de força. Da comutação elétrica.

O que a gente mais tem no Face – e infelizmente não só aqui – é Dr. Lecter wannabe caindo na própria piada: “Logo se vê que alguém como você…” – “É… as pessoas sempre são mais sinceras quando não sabem que estão sendo analisadas…” – “Eu vejo há muito pelas tuas postagens…”

Sim, gênio. Se eu sou o meu perfil do Facebook então você, pelas suas atitudes, é médico, doente, canibal e tá preso. Não é exatamente meu rolemodel de perfeição, mas cada um na sua, né? Seja feliz. Mas se aproximar esses dentes de mim e eu tiver meu punho livre, você vai perdê-los. Vá morder sua irmã!

Agora, agora…

OUVIR as pessoas. ACREDITAR na verdade delas, pelo menos enquanto verdade DELAS, se tua humildade não te obriga a mais, isso sim é a Grande Tarefa.

o que é grande é dos grandes

o raro dos raros

o profundo dos de grande fôlego e sem medo do escuro

porque o abismo olha de volta, como sabem,

e fala numa voz

familiar demais.

 

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Luiz Hasse

Professor e artista,
homem de ciência
E letra escrita.
E sonhava quando criança
em ser astronauta ou super-herói
Investigador ou agente secreto
Vampiro, lobisomem, androide
mago com superpoderes,
ser de outras dimensões
misterioso vestido de preto.
Mas nada disso se consegue
Sem que aquela nave original
Tome um rumo bem mais
sombrio.