Notas sobre o Preconceito

Somos 7 bilhões de pessoas espalhadas pelo mundo. A cada novo dia muitas pessoas vão e vem, nascem e morrem, pessoas como eu e você. Brancos, morenos, índios, pardos, brasileiros, americanos.. Nada disso importa quando tomamos consciência da nossa insignificância frente ao universo. Vivemos em um lugar chamado Terra, e nesse lugarzinho tem uma coisa chamada vida. A ciência calcula que em nosso planeta haja mais de trinta milhões de espécies de vida, mas até agora só classificou por volta de três milhões de espécies. Uma delas é a nossa: homo sapiens. Que é uma entre três milhões de espécies já classificadas, que vive num planetinha que gira em torno de uma estrelinha, que é uma entre 100 bilhões de estrelas que compõem uma galáxia, que é uma entre outras 200 bilhões de galáxias num dos universos possíveis e que vai desaparecer. Essa espécie tem, em 2011, aproximadamente 7 bilhões de indivíduos…Um deles é você e eu. 

Juro que eu gostaria de entender algumas pessoas do nosso mundo. O que leva a uma pessoa sentir-se superior a outra? Porque ainda vivemos em um cenário de ódio, guerra e sofrimento? Atualmente com o desenvolvimento dos meios de comunicação, presenciamos escancaradamente aos atos de preconceito que circundam o mundo todo.  Racismo, Homofobia, Machismo e intolerância Religiosa. Até quando?

”Triste época! É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito.”

Albert Einstein

Nunca me esqueço de um certo dia em que ao andar no centro da cidade, me deparei com uma das cenas que mais me fizeram refletir. Um grupo de crianças estavam provendo uma feira escolar contra o ”Preconceito”, bem no centro de um Shopping muito movimentado. Na correria do dia a dia, parei por alguns instantes e fixei os olhos em um menino de aproximadamente 10 anos. Ele distribuía uma cartinha para cada um que ali parava. Esperava ler um texto elaborado por um adulto, falando sobre o tema proposto. Comecei a notar a reação das pessoas e resolvi pegar uma dessas cartinhas . Ao abrir e ler me deparei com a seguinte frase rabiscada com giz de cera:

Não deixe que a criança que vive dentro de você morra! Ame como uma criança ama… Amar todos e todas, os cachorrinhos, as velinhas e também os amiguinhos. Trate todos, como muito carinho”

 

Sinceramente, aquilo me fez passar horas pensando em muita coisa. O brilho nos olhos daquele menino parecia transbordar amor, humildade, sinceridade. Foi quando percebi que somos nós os únicos responsáveis por nossos atos. Preocupados em ”crescer na vida” vamos matando aos poucos a docilidade da criança que habita em nós. Passamos a criar preconceitos, começamos a atribuir um valor as pessoas, classificando por aquilo que elas tem ou aparentam ser. Naquele momento eu entendi muita coisa. Aquele menino sabia o seu lugar no mundo, estava preocupado em SER, em viver intensamente, AMAR.

Atos de preconceito não lhe tornam melhor do que ninguém, pelo contrario… eles mostram o seu medo em reconhecer sua insignificância frente ao universo. Ser como criança talvez seja isso, olhar para o outro como alguém que pode me ajudar a ser feliz, a me conhecer melhor, amar mais, sorrir mais!

v

Antes de julgar lembre-se: Você é um entre 7 bilhões de indivíduos, pertencente a uma única espécie, entre outras três milhões de espécies classificadas, que vive num planetinha, que gira em torno de uma estrelinha, que é uma entre 100 bilhões de estrelas que compõem uma galáxia, que é uma entre outras 200 bilhões de galáxias num dos universos possíveis e que vai desaparecer….

 

”Tem muita gente tão bonita nessa terra, nas minhas contas são sete bilhões mais eu

Tem Ronaldinhos e rainhas da Inglaterra, mas nada disso muda que só eu sou eu

Só eu sou eu ….Só eu sou eu….Além de mim não tem ninguém que seja eu

Vem cá, menina , vem brincar comigo que outra criatura igual jamais nasceu
Vem cá, menino … vamos lá, juntinhos. Ainda bem que a gente é você e eu

Você e eu…E cada um é cada um…..E cada eu”

MUSICA: Só Eu Sou Eu , Marcelo Jeneci

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Matheus John

Matheus John

Matheus John, 21 anos, natural de Ponta Grossa- Paraná. Atualmente cursando Ensino Superior em Licenciatura Filosofia pelo Instituto de Ensino Superior Sant'Ana. Colaborador do projeto de extensão na área de Literatura Existencialista e Filosofia Classica . Colaborador Projeto de Extensão UEPG: Nietzsche e David Foster: Niilismo e nova sinceridade