Psicologia

Percurso da vida.

Há de se supor que as coisas são passageiras. Há de se supor que nem tudo é eterno. Há de se supor que a vida é um instante: um piscar de um olho.  Lembro-me, neste momento, a passagem de Shaka de Virgem ( personagem do ânime “cavaleiros do zodíaco”– onde o mesmo fala sobre a vida:

As flores brotam e morrem, as estrelas ”brilham”, mas um dia se apagarão… Tudo morre… A Terra, o Sol, a Via Láctea e até mesmo este universo não é exceção! Comparado a isto, a vida do homem é tão breve e fugidia, quanto um piscar de um olho… Neste curto instante, os homens nascem, riem, choram, lutam, sofrem, festejam, lamentam, pensem, não pensem, odeiam pessoas e amam outras! E em seguida, todos caem no sono eterno, chamado morte…

Fico a pensar o seguinte: o que estamos fazendo neste mundo? O que, de fato é a vida e o sentido da mesma? Há alguma razão para viver, mesmo sabendo que tudo que construímos ficará aqui na terra? Fico a pensar essas coisas deste o meu tempo de estudo de filosofia e de leituras incessantes sobre a vida e o sentido da mesma. Não sei se há alguma resposta em relação a isso – porém, vale a pena pensar e estudar a respeito.
Não quero aqui colocar “uma resposta pronta” ou, meramente, questões a serem debatidas. Quero, de fato, fazer com que pensemos sobre a vida e o sentido da mesma.
Bem, nascemos no momento da criação – nossos pais nos concederam e estamos no mundo. Mundo este que é dito como “nossa casa” ou “nosso mundo”. Temos a oportunidade de viver no mundo por tempo indefinido – ou seja, podemos perder a vida a qualquer instante. Há variadas possibilidades de vivermos: podemos seguir determinada profissão, seguir algum preceito religioso, podemos estudar, trabalhar, etc. São infinitas possibilidade que nos são apresentadas. Ao que eu saiba, não há “um manual de vida” em que nos mostre de forma sequenciada como viver. A vida é meramente vivida da forma em que está e, por vezes, nos deparamos com determinadas situações que devemos tomar decisões que influenciam a nossa vida ou, até mesmo, a vida das demais pessoas.
Há aqui uma coisa chamada “decisão”: que chega um determinado momento que precisamos tomar alguma atitude decisória que influenciará no futuro. Para que tal coisa possa ser feita, é necessário que cada pessoa tenha um bom discernimento para que tal ação seja realizada de forma inteligente. Do contrário, resultado em possíveis consequências graves e, até mesmo, irremediáveis.
Aqui vale uma questão: mas como tomar a decisão certa? Como pensar de forma certa e inteligente em relação as nossas decisões? Há alguma fórmula mágica? Lamento decepcionar ao caro leitor, mas NÃO temos um manual/guia para nos direcionar para decisões diversas. O máximo que existe são “pistas” ou orientações para vivermos, mas nunca vi  um Manuel que mostrasse de forma sequenciada como devemos tomar decisão em relação a vida. O que, de fato, sabemos é exatamente o que Shaka diz: “os homens nascem, riem, choram, lutam, sofrem, festejam, lamentam, pensem, não pensem, odeiam pessoas e amam outras! E em seguida, todos caem no sono eterno, chamado morte”.
Creio que o fator que, de fato, diferencia a vivencia meramente da vida é realmente a decisão. Alguns chamam de discernimento, percurso – porém, aqui uso a termo decisão como diferencial do mero fator de vida. Quando decidimos e percorremos um caminho traçado, há aqui uma decisão. Quando optamos por uma coisa e não outra, há aqui um agravante muito importante chamado viver. Vivenciamos muitas etapas e passamos por variadas situações que, por vezes, não escolhemos  tê-las: mas aconteceram de acordo com o percurso da vida, mas que devemos ter muita maturidade e discernimento para enfrentar tais situações e focar em nossas decisões.
Creio que, de fato, o sentido da vida seja exatamente esse: decidirmos viver tal coisa e percorrer o percurso da vida em busca desse ideal traçado por nós mesmos. Em outras palavras: investir em si mesmo em busca de algum ideal de vida, decidir ser ou viver algo e percorrer até conseguir tal coisa. Não há uma “fórmula mágica” para isso: cabe a cada pessoa percorrer sua trajetória vital e alcançar a vida que tanto sonha. Acredito, piamente, que isso seja, de fato, o cerne da vida humana.
A vida é, como diz Shaka, um piscar de um olho – ou seja, “passa rápido” e quando nos deparamos já passou tempos. O tempo não volta, mas o percurso segue e cada etapa desse percurso é uma oportunidade que temos para sermos melhores cada vez mais.
Grato pela atenção em ler aqui até e fica ai a dica de ouro:

Viver é muito mais do que respirar e estar acordar: viver é lutar, decidir e percorrer o percurso da vida em busca de nossos sonhos e desejos.

Desejo a todos uma excelente decisão e bom percurso!

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Enter Captcha Here : *

Reload Image