Seja a inspiração de alguém

Há pessoas que nos inspiram, que demonstram da forma mais simples e bonita que ainda existe esperança, que a vida é bela e que vale a pena acreditar nela, acreditar em si mesmo. Trazem no sorriso a leveza da alegria que espalham por onde passam. Apenas um olhar é o suficiente para transbordar o amor e a bondade que carregam consigo, e não economizam quando é preciso partilhar.

Pessoas que sabem que para serem boas, não significa ser “bonzinho” o tempo inteiro. Há momentos em que é preciso ter o pulso firme e falar a verdade, ainda que doa. Ela sempre será o remédio que, mesmo quando desce amargo, faz efeito.

Pessoas que são gente como a gente , assim, bem no gerúndio. Gente que sorri, que chora, mostra o que sente. E, geralmente, elas sentem muito, principalmente, por quem não sente nada. Deixam um rastro de saudade por onde passam, pois tudo que é bom deveria nos acompanhar para sempre, queremos por perto e, quando se vão, fazem falta, fazem história. Viram memórias boas que guardamos com carinho.

São pessoas tão especiais que nos  presenteiam todos os dias com sua presença. Mesmo quando fazem aniversario, é difícil presentear um presente que a vida nos deu, pelo simples fato de existirem. Porque elas não existem somente, mas fazem da sua existência uma chance de um mundo melhor, uma brasa acesa de esperança que ilumina por onde passam, mesmo sem nada dizer.

O universo agradece e a vida retribui aqueles que inspiram e transpiram a humanidade tão desejada e tão rara que tantos precisam ver para crer e sentir para ser. Você já inspirou alguém hoje?! Lembre-se que um dia, alguém fez isso por você…

Comentários

Comentários

Sobre o autor

Rachel Dos Santos

Rachel Dos Santos

Paulistana, porém mineira de coração. Vinte e poucos anos, viciada em música e sorvete, adora filosofar no facebook e compor canções que guarda a sete chaves. Estudante de jornalismo , pretende construir um mundo mais bonito por meio de seus escritos. Acredita que a simplicidade é a chave que abre a porta da felicidade. Sempre usa reticências no final das frases porque sente que sempre há um pouco mais a se dizer...